Não pergunte “o que você quer?” ao seu cliente

É muito fácil se perder nas divagações do cliente ao desenvolver um sistema. Isso é normal e temos que permitir que ele se sinta a vontade para sugerir funcionalidades para o projeto dos seus sonhos.

O problema é que nem sempre ele sabe do que precisa e perguntar “o que você quer?” faz com que ele tente resumir o projeto em algo que ele já viu ou que acha que resolve seu problema. Ainda, depois que o cliente decide o que quer, fica mais difícil faze-lo aceitar algo menor.

Imagine a situação:

Ao perguntar “o que você quer?” a resposta foi “um carro”!

Foi então especificado o tipo de carro, a potência do motor, tração e assim por diante.

Iniciado o desenvolvimento, verificou-se que o motor era muito fraco para o tipo de tração. Para resolver o problema, perguntaram ao cliente “o que você quer?”, obtendo como resposta “aumentar a potência”.

Correção essa que gerou um pouco de retrabalho e aumentou o custo e prazo do projeto.

Após a entrega, a equipe passou a receber muitas reclamações do cliente dizendo que “estava tendo dificuldade de dirigir o carro” e “o custo de manutenção não está compensando”.

Uma outra abordagem

Agora imagine a mesma situação mas, ao invés da famigerada pergunta, a equipe tenta entender qual o problema que o cliente precisa resolver fazendo perguntas sobre: o funcionamento do negócio, o fluxo do trabalho, qual ponto ele gostaria de melhorar ou os problemas que ele precisa resolver.

Após essa conversa, a equipe entende que o cliente precisa levar documentos do ponto A ao ponto B, em uma distância máxima de 500m, cerca de quatro vezes ao dia.

Problema que pode ser resolvido com uma moto, uma bicicleta, um drone – para sugerir algo inovador – quiçá até um pombo! Soluções que seriam mais rápidas, mais baratas e deixariam o cliente mais satisfeito.

As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a elas.

Steve Jobs

É legal quando o cliente se envolve no projeto… é ótimo ver a empolgação dele quando tem resultados mas nem sempre ele entende o que ocorre por debaixo dos panos – e nem precisa saber.

Ficando acertado que ele precisa colocar os documentos num local X e esses documentos estarão no local Y após duas horas, o resto fica por conta da equipe. E as pessoas são capazes de coisas incríveis quando tem liberdade para criar.

Metodologias ágeis já perceberam isso há tempos, por isso envolvem toda a equipe no projeto, assim todos entendem a necessidade do cliente e trabalham juntos para atende-las.

Também focam no essencial, incrementando o produto aos poucos, permitindo observar o que gera mais valor ao cliente ao invés de perder muito tempo com soluções complexas que otimizam pouco a operação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.